Visite-nos no Facebook
Visite-nos no YouTube
Visite-nos no Twitter
Visite nosso Blog
Visite nosso Grupo no Yahoo

Notícias


INFORMATIVO 03/2017 - A FIGURA DO CRIADOR DE ABELHAS: QUEM É PROFISSIONAL DE PONTA? QUEM É CAIXOTEIRO DE ESQUINA?
13/02/17

SER EMPREENDEDOR NA CADEIA DO AGRONEGÓCIO APÍCOLA - INFORMATIVO 03/2017 - CIA DA ABELHA
A FIGURA DO CRIADOR DE ABELHAS:
QUEM É PROFISSIONAL DE PONTA? QUEM É CAIXOTEIRO DE ESQUINA?
13/02/2017
Postado também no site da Cia da Abelha:
http://www.ciadaabelha.com.br/site/index.php?p=noticias
no Blog da Cia da Abelha:
http://ciadaabelha.blogspot.com.br/
e em todas as redes sociais: Facebook e Whatsapp
Os últimos 30 anos colocaram de forma indiscutível a apicultura brasileira inserida na Cadeia do Agronegócio Apícola mundial. O Brasil figura como um dos maiores produtores e exportadores de mel e própolis do planeta, em especial o dito mel orgânico livre de não conformidades, resíduos tóxicos e metais pesados. Mesmo com a Lei de oferta e procura, que podem levar a períodos de menor ou maior procura pelo mel brasileiro, no médio e longo prazo o viés de demanda é cada vez maior pelo nosso mel, tanto aqui dentro do Brasil quanto no mercado externo. São 170 mil toneladas/ano de demanda previstos até 2025. Se isso por um lado isso é bom colocando o Brasil definitivamente como um dos lideres do mercado de comodities de mel no mundo, por outro lado acomoda o apicultor nacional que torna-se dependente do mercado comprador externo sem esforço para fazer crescer seu negócio apícola.
No final dos anos 70 do século passado a apicultura nacional vivia ainda a recente introdução da abelha africana no continente, convivendo com ausência de tecnologia, de equipamentos adequados de proteção individual e de maquinários que pudessem fabricar cera, centrifugar e decantar mel. A produção de mel não passava das 10.000 toneladas de mel anuais com importação maciça de mel do Uruguai e da Argentina para atender a incipiente classe média brasileira sedenta por mel de qualidade. Com a adoção de tecnologia e adaptação à abelha africanizada brasileira, o boom apícola dos últimos 30 anos saltou o número de colméias de pouco mais de 500 mil para mais de 3,3 milhões de colméias, pouco mais de 20.000 apicultores para mais de 350.000 profissionais da área e uma produção total de mel para mais de 40.000 toneladas anuais do produto. Passamos a exportar para mais de 1 dezena de países e internacionalmente nosso mel e classificado como o melhor mel do mundo livre de resíduos tóxicos e defensivos agrícolas.
O mesmo valeu para o mercado de própolis, em especial a da cor verde de Alecrim do Campo (Baccharis dracunculifolia) e a da cor vermelha de Rabo de Bugio (Dalbergia eastophilum) que colocaram o Brasil como país com maior bioma ecológico para produção de própolis de qualidade comprovada e certificada contra praticamente todos os tipos de bactérias, fungos, leveduras e formas de tumores cancerígenos que acometem a espécie humana, em todo mundo. Mais de 400 substâncias da própolis verde e vermelha já foram patenteadas, mais de 4000 publicações indexadas em sites científicos já foram disponibilizados, ensaios clínicos randomizados são realizados a todo momento provando as atividades biológicas de nossa própolis, medicamentos quimioterápicos em vários países do mundo já possuem substâncias oriundas de nossa própolis e dia a dia novos conhecimentos são adquiridos em torno do produto consolidando dia a dia a própolis brasileira no exigente mercado mundial.
Apesar de todas essas boas notícias a sensação é que o apicultor pouco evoluiu nestes últimos 30 anos. A produtividade das colméias continua muito baixa, a realidade do apicultor continua muito humilde e todo o aporte de recursos financeiros envolvendo atualmente a cadeia da apicultura corre por todos os seus elos, passando a menor parte dos recursos pelas mãos do produtor, do apicultor primário.
Apesar do imenso aporte de recursos destinado a agricultura familiar nos últimos 20 anos, a apicultura entre elas, o apicultor continua pobre, constituindo o elo mais fraco da cadeia, desinformado, desinteressado, avesso ao estudo e ao conhecimento, culturalmente agindo como um nômade ao criar abelhas e colher produtos apícolas, um verdadeiro caixoteiro de esquina. Milhões de reais vem sendo gastos em centenas e centenas de projetos apícolas com construção de casas do mel, entrepostos, instalação de colméias e apiários, mas o espírito do apicultor, a senda mais importante para a mudança de consciências e crescimento do negócio apícola não mudaram. Muito pelo contrário. A grande maioria dos apicultores atuais tornaram-se dependentes dos programas do governo. O sentimento que corre é: "-Se ganhei colméias, se ganhei equipamentos, se ganhei casa do mel, se ganhei tudo, então que agora eu continue ganhando e que o governo compre meu mel e pague o melhor preço.". Acaba que o governo não compra esse mel, o apicultor permanece cego nas mãos de atravessadores e a perpetuação da mediocridade apícola sustenta-se em todo o país. Há uma acomodação generalizada por parte dos apicultores onde reina o sentimento de que o bem estar social apícola implantado será ilimitado e eterno, quando sabemos que não será assim.
A crise econômica aí instalada, se por uma lado favorece o setor apícola elevando em reais o valor recebido pelo mel exportado, por outro lado seca o aporte de recursos para projetos e implantação de negócios apícolas. Levaremos de 2 a 3 anos para que os investimentos governamentais no setor voltem a acontecer em sua normalidade de forma que o desenvolvimento do setor precisará ocorrer daqui por diante com as ferramentas adquiridas pelos apicultores nos últimos 20 anos. São dezenas de casas do mel, entrepostos, unidades de beneficiamento parados a espera de produção. São milhares de colméias adquiridas esperando abelhas para produção. Enfim, tecnologicamente falando o setor está amparado com unidades de beneficiamento suficientes para trabalhar o mel colhido e colméias suficientes para pelo menos dobrarmos a produção de mel no Brasil. Então o que está faltando???
Falta o empreender apícola. O espírito de trabalhar, colocar materiais, equipamentos e insumos para produção, povoar colméias com abelhas, tecnificar-se através dos "bons" cursos de apicultura existentes no mercado acerca dos processos de alimentação, melhoramento genético e troca de rainhas, aquisição de conhecimento sobre industrialização de produtos, criação de linhas de produtos, fracionamento de produtos, atingimento do mercado consumidor, georreferenciamento e rastreabilidade de toda a cadeia produtiva, enfim, a tão sonhada profissionalização apícola. Essa atitude parte exclusivamente do apicultor, mesmo que este esteja associado ou cooperado a alguma instituição é condição inerente a este a busca de conhecimento para fazer crescer seu negócio apícola. Não basta mais colocar 1/2 dúzia de colméias no fundo do quintal e colher 10 kgs de mel por colméia 1 única vez no ano. Essa conformação acabou.
É preciso profissionalização. Estabelecer de 30 a 50 colméias na propriedade, trocar favos velhos anualmente, troca de rainhas velhas por selecionadas anualmente, aplicação de alimentação nas épocas corretas durante a fome e no período que antecede a safra para que estabeleça-se a produção de 2,4 a 4,0 toneladas de mel anuais nestas 30 a 50 colméias.
A partir dessa produção de 2,4 a 4 toneladas anuais de mel criar os mecanismos de desenvolvimento de linhas de produtos, estratégias de atingimento do público consumidor nas grandes cidades, propagandas nas televisões, radios, internet, redes sociais que possam gerar neste mel produzido na propriedade de R$ 190.000,00 a R$ 320.000,00 de faturamento anuais ao apicultor apenas com estas 30 a 50 colméias, em torno de R$ 6400,00 de faturamento por colméia/ano na fazenda. Esse é o potencial produtivo e lucrativo atual de uma colméia de abelhas em uma propriedade rural
DEFINITIVAMENTE NÃO CABE MAIS O DISCURSO DE QUE APICUTURA É APENAS UM COMPLEMENTO DE RENDA!!!! Nunca foi um complemento de renda. Esse discurso retrô, pra baixo, que sempre marginalizou a apicultura como atividade de 2ª linha sempre atrapalhou a profissionalização apícola. Não há nenhuma outra atividade agropecuária em curso no país que tenha tamanho potencial de gerar um aporte gigantesco de recursos, como a apicultura, sem ferir o meio ambiente, sem colocar em risco a fauna, a flora e os mananciais de água. Não é a toa que dezenas de criadores de gado, plantadores de soja e milho vem abandonando estas atividades tradicionais da agropecuária nacional para se dedicarem a apicultura dado sua capacidade produtiva, independência do animal em relação ao seu criador, a condição praticamente não perecível dos produtos das abelhas e a sustentabilidade ambiental promovidas pela atividade. O mel, se bem acondicionado possui na pratica validade indeterminada com elevada capacidade inibidora de formação de microrganismos decompositores. OU O APICULTOR DEIXA A ACOMODAÇÃO DE LADO E TORNA-SE DE FATO UM PROFISSIONAL APÍCOLA, UM GESTOR EM APICULTURA OU CONTINUA FAZENDO A MESMA COISA TODOS OS DIAS. NADA MUDA SE A GENTE NÃO MUDA. A APICULTURA NÃO MUDA SE O APICULTOR NÃO MUDA
A CIA DA ABELHA realizará agora em 18 e 19 de Março mais um CURSO PARA CRIAÇÃO DE ABELHAS para iniciantes, em Maio, nos dias 20 e 21 mais um CURSO DE MANEJO AVANÇADO EM CRIAÇÃO DE ABELHAS e em Junho o CURSO DE MANIPULAÇÃO E COSMETOLOGIA COM OS PRODUTOS DAS ABELHAS. São 3 oportunidades que o apicultor tem para tomar contato com as principais tendências do segmento e abrir um leque de oportunidades latentes pouco trabalhadas pela Cadeia da apicultura de forma geral.
Mais de 6000 apicultores em todo o Brasil já passaram pelos cursos e capacitações da CIA DA ABELHA. Muitos deles mudaram sua forma de trabalhar e constituíram verdadeiros negócios apícolas, sustentáveis ambientalmente e ricos em termos de captação de lucros. Se você enfrenta dificuldades para produzir, se não sabe qual caminho tomar para fazer crescer lucrativamente sua atividade apícola, se não consegue vender sua produção com o lucro desejado então é hora de sair da acomodação e TOMAR UMA ATITUDE. De nossa parte, a CIA DA ABELHA está pronta para ajudá-lo nesta tomada de decisão pela profissionalização.
Colocamo-nos a disposição para bem orientá-los quanto ao seu negócio apícola, no fornecimento de materiais e equipamentos e na transformação de sua criação de abelhas em um verdadeiro centro de gestão em apiários e produção de produtos.
Não deixem de nos procurar!!!!
Acesse nosso site: www.ciadaabelha.com.br e obtenha esta e outras
importantes e essenciais informações para a constituição do seu negócio apícola.
Um Fraternal Abraço
Armindo V. N. Junior
Apicultor e Gestor de Sistemas de Produção Apícola.
Apiterapeuta e acupunturista
Moderador da Lista Cia da Abelha
CIA DA ABELHA - GOIÂNIA/GO
REFERÊNCIA NA CADEIA DO AGRONEGÓCIO APÍCOLA DESDE 1983
www.ciadaabelha.com.br - ciadaabelha@ciadaabelha.com.br - skype: ciadaabelha
Tels: 62-32822232/62-81020918(TIM) /62-93673179(CLARO)
Sinto muito”.” Me perdoe”. “Sou grato”, “Te amo”...
Quatro frases que transformam qualquer realidade negativa. Pratique!
A CIA DA ABELHA AGORA É GOIÂNIA/GO
A REGIÃO ONDE A APICULTURA MAIS CRESCE NO BRASIL
ACESSE: www.ciadaabelha.com.br e saiba mais!!!
MATERIAIS APÍCOLAS E EQUIPAMENTOS INOX
FABRICAÇÃO PRÓPRIA
Acesse: http://www.ciadaabelha.com.br/site/index.php?p=materiais
Cursos - Consultorias - palestras - Dias de Campo.
Contrate a Cia da Abelha para eventos apícolas em sua cidade
Acesse: http://www.ciadaabelha.com.br/site/index.php?p=consultoria
Baixe agora nossa tabela de preços.
Mais de 800 itens apícolas para o seu negócio apícola.
Acesse: http://www.ciadaabelha.com.br/downloads/tabela1.pdf
Notícias


Av. Parque Atheneu, Und 101, Lote 09, Sala 3, Setor Parque Ateneu (A 1 quarteirão do Ginásio do Parque Atheneu,
ao lado da Igreja Fonte da Vida, em frente à Academia Gyn)
Goiânia - Goiás
Telefones:
Telefax: (62) 3282-2232
(62) 3282-1489
(62) 9.8102-0918 (TIM - WhatsApp)
(62) 9.8202.4246 (TIM - WhatsApp)
(62) 9.9367-3179 (CLARO)
(62) 9868-2232 (VIVO)
E-Mail e Skype
Skype: ciadaabelha
ciadaabelha@ciadaabelha.com.br
comercial@ciadaabelha.com.br
vendas@ciadaabelha.com.br
tiagosantos@ciadaabelha.com.br
armindovnjunior@ciadaabelha.com.br janainanicolini@ciadaabelha.com.br